Abrantes | Tagusvalley apoia ideias ligadas ao turismo através do Tourism Explorers

Na sua terceira edição, o Tourism Explorers está de regresso a 12 cidades portuguesas, tendo promovido uma sessão de esclarecimento na quarta-feira no Tagusvalley, em Abrantes, no qual um representante da Fábrica de Startups, André Faria, explicou um pouco melhor o projeto em questão e como se pode participar.

PUB

Este programa, de inscrição gratuita, divide-se em duas fases, sendo que a primeira delas, a de “Ideação”, é onde as pessoas se juntam em grupos e debatem os problemas existentes tentando criar novas ideias para o turismo. A sessão dura três dias (11, 12 e 13 de setembro), desde as 9h30 às 18h00.

O objetivo desta primeira fase é quebrar a tendência “egoísta” das pessoas, de guardar uma ideia que teve para si mesmo e de a lançar no mercado para depois, como acontece muitas vezes, o mercado não responder a essa ideia. Ao invés disso, o objetivo passa por, em grupo, se tentar perceber o que é que o mercado do turismo quer, quais os seus problemas (como a sazonalidade, o transporte de bagagens etc.) e tentar encontrar as soluções.

Nesta primeira fase, tal como explicou André Faria, ninguém tem de ficar de fora por não ter um negócio já pensado ou uma ideia brilhante, o que é preciso é “vontade de aprender, vontade de ter um negócio próprio, e gosto pela área do turismo. Não é necessário haver ideias à partida, essas são criadas depois”. Vindas desta primeira fase, têm entrada direta para a segunda fase, até três equipas.

Na segunda fase, de “Aceleração”, na qual já tem de haver um projeto, o objetivo é cimentar uma ideia com aquilo que é necessário para um negócio de sucesso num setor tão inconstante como é o do turismo, e vai durar, em dias específicos, do dia 24 de setembro até ao dia 17 de outubro (final local).

PUB

Ao contrário da primeira fase, em que a inscrição é individual, na segunda fase faz-se a inscrição de um projeto – podem-se candidatar as pessoas que têm um projeto pensado, ou que até já têm uma startup, e que pretendam fazer crescer a empresa mais depressa, conseguindo, assim, o programa abarcar ideias em diferentes estágios. Nesta fase, em que é recomendável embora não obrigatório que as equipas sejam de mais do que um elemento, o objetivo é efetivamente pensar um negócio.

Foto: mediotejo.net

Para os participantes a mais valia é, desde logo, o networking que o programa proporciona, através do qual se tem acesso a uma vasta rede de investidores, mentores, fundadores de startups etc.

Todas as equipas terão também acesso a uma Startup Box, que contém todas as informações e ferramentas necessárias para o desenvolvimento da ideia, baseando-se a metodologia da Fábrica de Startups nos conceitos de design thinking, lean startup e customer development, e que pode ser usada mais tarde.

Vários são também os workshops a que os participantes têm acesso, que abordam tópicos como o Marketing Digital, Marketing no Turismo, Investimento e Questões Legais, Novas Tendências do Turismo.

Na final local, no dia 17 de outubro, as equipas apresentam, simultaneamente nas 12 cidades, os seus negócios a um painel de júris, sendo definido o vencedor que passa para a final nacional, marcada para 24 de outubro.

Nesta sessão de esclarecimento estiveram presentes dois elementos da equipa vencedora da fase local da edição do ano passado, Alexandre Carrança, licenciado em Cinema Documental pela ESTA e mestre em Produção de Conteúdos Digitais pela ESTT/IPT, e Guilherme Assunção, aluno de Comunicação Social, perfil em  Comunicação Empresarial, na ESTA/IPT, que deram o seu testemunho.

O projeto levado a cabo por esta equipa, e que continua em desenvolvimento, o Immersive|Pyx, baseia-se no conceito de realidade aumentada sendo objetivo a criação de conteúdos turísticos numa aplicação móvel (APP).

Esta APP terá como base a Realidade Aumentada, Áudio 3D, Guias de Inteligência Artificial e Gaming, e pretende valorizar o património ao transportar os turistas para uma outra realidade através de uma simples aplicação para telemóvel ou tablet. Este projeto da equipa abrantina já alcançou outras conquistas, como o Prémio Social do Arrisca C.

Para a equipa vencedora a nível local, tanto da fase da Ideação como da Aceleração existe um prémio, o qual consiste em seis meses de incubação gratuita da ideia no Tagus Valley. Já a equipa vencedora a nível nacional recebe um incentivo de dez mil euros.

As inscrições encontram-se abertas até ao dia 30 de agosto.

O Tourism Explorers é uma iniciativa promovida pela Fábrica de Startups, que, em conjunto com o Turismo de Portugal, pretende fomentar o empreendedorismo em Portugal, proporcionando as ferramentas para quem quer desenvolver um projeto ou ideia ligada ao turismo, ou para quem já tem um negócio na área e pretende impulsioná-la de uma maneira mais rápida e, igualmente, mais sustentável.

Este projeto decorre em simultâneo em 12 cidades (Abrantes, Angra do Heroísmo, Aveiro, Caldas da Rainha, Coimbra, Covilhã, Évora, Faro, Lisboa, Portalegre, Porto e Setúbal).

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here