Abrantes | Reforma dos cuidados de saúde primários é a base do SNS do futuro – António Costa (C/FOTOS)

António Costa esteve hoje em Abrantes onde presidiu à inauguração da USF Beira Tejo. Foto: Jorge Santiago/mediotejo.net

O Primeiro-Ministro António Costa disse esta quarta-feira em Abrantes que a atual reforma dos cuidados de saúde primários tem de ser a base do Serviço Nacional de Saúde (SNS) do futuro, sendo esta a melhor homenagem aos 40 anos do SNS.

PUB

“Ao longo desta manhã pude testemunhar três exemplos de como tem valido a pena acompanhar o esforço da recuperação económica do país, do aumento da capacidade orçamental na área da saúde”, disse António Costa na cerimónia de inauguração da Unidade de Saúde Familiar (USF) Beira Tejo, em Rossio ao Sul do Tejo, em Abrantes, já depois de ter visitado a unidade hospitalar da capital de distrito, em Santarém, acompanhado da Ministra da Saúde, Marta Temido, e pelos Secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro, e Secretária de Estado do Desenvolvimento Regional Maria do Céu Albuquerque, ex-presidente da Câmara de Abrantes, e que regressou ao município na qualidade de governante.

Inauguração da USF Beira Tejo contou com a presença de diversos membros do Governo, entre eles Maria do Céu Albuquerque, ex-presidente da CM Abrantes. Foto: Jorge Santiago/mediotejo.net.

“É um esforço grande, que permitiu ao longo da legislatura, progressivamente, repor mais 1.300 milhões de euros de capacidade de financiamento” do SNS, notou, tendo exemplificado com os “concursos que estão a ser abertos para aquisição de novos equipamentos” para o hospital de Santarém, como a nova ressonância magnética, “obras que estão em curso”, ainda naquela unidade hospitalar –“um novo bloco operatório e uma nova sala para partos” -, e “obras já concluídas”, como o serviço de medicina física e de reabilitação, em Santarém, e a instalação, em Abrantes, de um novo centro de saúde, a par do projeto de medicina hospitalar domiciliária, a ser desenvolvido pelo Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do Médio Tejo.

Segundo António Costa, estes trabalhos são “exemplo de que é preciso dar continuidade a este esforço, nestes 40 anos do SNS, continuando a investir para melhorar o serviço” prestado, “um esforço que tem de ser articulado nas suas diferentes dimensões”, notou.

Foto: mediotejo.net

O Primeiro-Ministro deu conta de alguns resultados na área da saúde, e que incluem a contratação de mais pessoal, a entrada de 1.200 médicos de família desde 2016, no conjunto do país, e apontou a entrada de mais 9.000 profissionais desde o início do seu mandato, para além da preocupação de “melhorar as condições de carreira e de trabalho”.

PUB

Por outro lado, confrontado com o facto da abertura da USF Beira Tejo ter permitido consolidar e “inverter uma taxa de 43% de utentes sem médico de família em Abrantes, em dezembro de 2013, contra os atuais 8%”, segundo dados apresentados hoje por Sofia Theriaga, diretora executiva do ACES Médio Tejo, resultado de uma “política articulada de investimento e reorganização de serviços” de saúde, António Costa deu conta dos resultados a nível nacional.

“A entrada destes novos 1.200 médicos, graças à formação ministrada e à abertura dos concursos necessários, traduz-se a nível nacional, nestes últimos três anos, numa redução de 14% para 7% do universo da população que ainda não tem medico de família”, destacou, tendo feito notar que é “preciso continuar a trabalhar e a investir” para alcançar o objetivo de assegurar a todas e a todos os portugueses o seu médico de família”.

Foto: mediotejo.net

Com capacidade para cinco mil utentes, a nova USF Beira Tejo representou um investimento de cerca de 300 mil euros por parte da Câmara de Abrantes, em colaboração com a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, I.P. (ARSLVT), e resultou da requalificação de um antigo mercado diário, permitindo retirar o antigo centro de saúde que funcionava num primeiro andar de um edifício de habitação.

O presidente da Câmara de Abrantes, Manuel Jorge Valamatos (PS), destacou os investimentos efetuados no setor da saúde numa lógica de parceria com a tutela na “modernização de infraestruturas e reorganização de serviços”, tendo lembrado os apoios ao nível da aquisição de viaturas, reabilitação de edifícios e apoios financeiros à fixação de jovens médicos na criação de USF no concelho, para um “serviço de qualidade e proximidade essencial às populações”.

António Costa concluiria a sua intervenção referindo que o esforço que tem sido feito no saneamento das contas públicas permite que “cada vez menos recursos sejam alocados ao serviço da dívida, e que cada vez mais recursos possam ser alocados aquilo que é necessário alocar”, tendo apontado à contratação de pessoal, à melhoria das condições de carreira e de trabalho das pessoas no SNS, à melhoria de equipamentos e instalações, e o “menor custo que os cidadãos pagam pelos serviços” de saúde.

“É desta forma virtuosa que nós podemos continuar a prosseguir uma trajetória de recuperação, consolidação, modernização e inovação no SNS, que é a melhor homenagem que podemos prestar aqueles que o fundaram há 40 anos, às gerações que construíram o SNS, e a esta nova geração que nos dá a confiança que vamos ter um SNS cada vez melhor por muitos e bons anos”, concluiu.

Fotos: Jorge Santiago

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here