Abrantes | Novo ano letivo arrancou com mais crianças em escolas do concelho

Foto ilustrativa. Créditos: Pixabay

O ano letivo arrancou no concelho de Abrantes, não em datas iguais, mas no período destinado pela tutela. A vereadora da Câmara Municipal de Abrantes, Celeste Simão, responsável pela pasta da Educação, falou sobre a continuidade do Projeto Educativo Municipal, com o Agrupamento de Escolas nº 1 a iniciar um novo modelo de avaliação e a boa notícia de mais crianças inscritas em algumas escolas do concelho.

PUB

A responsável começou por falar da estratégia que o município tem para o concelho de Abrantes. “Há atividades já iniciadas e outras que se aguarda a aprovação do conselho pedagógico dos agrupamentos”, salientou a vereadora Celeste Simão na reunião de executivo desta terça-feira, 17 de setembro.

No entanto, deu conta de “atividades direcionadas para os alunos, outras para os pais e um conjunto de apoios direcionados para os professores, sempre no respeito pela sua autonomia mas tendo em conta o comprometimento existente com o Projeto Educativo Municipal”.

A novidade prende-se mesmo com o acréscimo de alunos em algumas escolas do concelho de Abrantes. Lembrando que o número de nascimentos registados, no território e no País, tem sido menor nos últimos anos, apesar de Portugal voltar a ter mais bebés em 2018, a vereadora socialista referiu alguns sinais que parecem contrariar a tendência da diminuição do número de crianças nas escolas de Abrantes.

“Em algumas mantém-se a tendência de perder alguns alunos mas uma tendência, comparando com os anos letivos anteriores, mais ténue”, disse.

PUB
Reunião de Câmara de Abrantes. Créditos: mediotejo.net

No entanto, a vereadora com o pelouro da Educação salientou “um aumento substancial de alunos no pré-escolar na Escola António Torrado, comparativamente ao ano anterior” o que se traduziu “em mais uma turma do pré-escolar. Em Rio de Moinhos os dados de agosto apontam para um aumento, em Tramagal há igualmente aumento de alunos no pré-escolar e também em São Miguel do Rio Torto”.

Não sendo um aumento de “20 ou 30 alunos”, quanto ao primeiro ciclo verifica-se “um aumento na escola nº2 na cidade de Abrantes e um aumento brutal de alunos na escola da Chainça. Na escola Dom Miguel de Almeida, comparativamente ao ano anterior, há igualmente aumento, no terceiro ciclo tínhamos 86 alunos e passamos para 116. A Escola Secundária Dr. Manuel Fernandes, no terceiro ciclo, há um pequeno aumento e no ensino secundário na Escola Dr. Solano de Abreu regista um aumento, o mesmo na Escola Dr. Manuel Fernandes”, afirmou Celeste Simão, vincando “não serem aumentos que nos deixem tranquilos mas que fazem olharmos para os dados de forma gradual”.

No ensino profissional “na Escola Dr. Manuel Fernandes também aumentou o número de alunos”, acrescentou. Nessa escola, no curso de Interpretação e Artes de Espetáculo inscreveram-se 13 alunos e no curso de Metalomecânica na Escola de Tramagal inscreveram-se 15. Da rede aprovada destaca o curso da Escola Octávio Duarte Ferreira, avançando que o curso de soldadura foi suspenso por falta de inscrições, uma vez que teve apenas três alunos inscritos.

Embora a Câmara Municipal de Abrantes tenha rejeitado assumir este ano letivo as competências relativas à Educação no âmbito da descentralização e da transferência de competências do Estado central, Celeste Simão falou sobre o pessoal não docente e do “trabalho de sensibilização” sem qualquer compromisso formal “de preparação para o futuro que aí vem, no sentido que convivem dentro das escolas duas realidades”, ou seja, funcionários tutelados pelo Ministério da Educação e funcionários tutelados pela Câmara Municipal.

“Foram dadas algumas orientações, de acordo com a direção das escolas. Quem fará a gestão das pessoas dentro de cada escola será a coordenadora do estabelecimento”, indicou. Ao nível dos recursos humanos, as escolas do concelho contam com cerca de 48 assistentes operacionais da Câmara Municipal.

Reunião de Câmara de Abrantes. Créditos: mediotejo.net

Outra novidade decorre ao nível das tecnologias de comunicação e informação. “Todas as escolas de primeiro ciclo terão painéis tecnológicos de última geração”, um investimento na ordem dos 140 mil euros.

No seguimento do Projeto Educativo Municipal, e no acompanhamento de uma instituição de ensino superior (ESTA) a Câmara de Abrantes compromete-se a continuar assegurar em duas vertentes: “No apoio que é dado ao observatório PNE, que faz a monitorização de tudo o que está a acontecer para continuarmos com dados fiáveis, confirmados pela academia; e também no acompanhamento do projeto de autonomia e flexibilidade curricular”.

Celeste Simão lembra tratar-se de “um projeto piloto em que Abrantes esteve envolvida, tendo em conta que este ano haverá a generalização para todas as turmas é importante que a Câmara continue a acompanhar. Os resultados e a avaliação que fazemos tem dado muito bons frutos” considera.

Refere ainda que o Agrupamento de Escolas nº1 “teve a ousadia de implementar o novo modelo de avaliação” dando conta que “o diretor está a ser chamado a vários pontos do País no sentido de partilhar o que é este novo modelo de avaliação centrado nas aprendizagens”.

No que diz respeito aos auxílios económicos, verba que o município “dá aos alunos quer para material escolar quer refeições”, a vereadora disse haver “230 alunos no escalão A e no escalão B 240, o que perfaz um total de 470 euros, mas continuam a chegar pedidos para estes escalões, só ontem recebemos mais 16 pedidos de apoio”. No que toca às refeições escolares o investimento camarário ronda os 440 mil euros e serão servidas cerca de 1300 refeições todos os dias no concelho.

A vereadora deu também conta de continuar o investimento nas AEC (na ordem dos 96 mil euros), CAF (Componente de Apoio à Família suportadas pelos pais) e AAF (Atividades de Apoio à Família, cerca de 129 mil euros).

“Nos dois agrupamentos as Atividades de Enriquecimento Curricular (AEC) são orientadas de acordo com a tutela, são para aprender a brincar, não há prolongamento do que acontece nas salas de aula”, frisou.

Nesta matéria, a Câmara conta com “as associações locais nomeadamente o Orfeão de Abrantes e a Cres.Ser para desenvolver estas atividades e também com uma grande quantidade de associações de pais que continuam a fazer muito bem o seu trabalho dentro das escolas, com muito incentivo. O nosso objetivo através do Projeto de Educação Parental é chamar mais pais a colaborar, porque há meia dúzia de pais que trabalham a favor de uma comunidade”, sublinhou a vereadora.

No que toca a obras, a Escola Básica de Mouriscas foi alvo de uma intervenção “na canalização, nos caixilhos e já está acertada uma pintura exterior”, explicou.

Em relação às bolsas de estudo a Câmara recebeu 56 candidaturas, continuando com as quatro bolsas de estudo da Ribeira Brava. Quanto aos prémios de mérito este ano serão entregues no dia 11 de outubro enquadrados nas Jornadas da Educação. O projeto Amigos do Ziki será implementado também este ano dando continuidade com um investimento na ordem dos 5600 euros.

Quanto ao Programa de Acesso Universal às Competências Digitais, implementado através da Tagusvalley no ano letivo passado em algumas escolas piloto, este ano será generalizado, para as turmas do terceiro e quarto ano, mas em todas as escolas, ou seja, 13 escolas. Segundo a vereadora Paula Grijó Fala a aprendizagem de programação chegará a 30 turmas, envolvendo cerca de 600 alunos. Um projeto na ordem dos 17 mil euros.

As Jornadas da Educação em 2019 começam no dia 4 de outubro para terminarem no dia 30 de outubro, com atividades pontuais e de forma descentralizada na Escola Dr. Manuel Fernandes, na Escola Dr. Solano de Abreu, em Tramagal, em Rio de Moinhos e Bemposta.

PUB
PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here