Abrantes | Litígio entre Bispo e padre Zé da Graça suspende eucaristias de domingo

O Bispo publicou hoje um novo comunicado onde dá conta dos problemas jurídicos com o padre José da Graça e da suspensão das eucaristias no domingo nas paróquias de S.João e S.Vicente, dia em haverá uma celebração na Igreja de São Vicente, às 18:00, para que o vigário geral da Diocese apresente o padre António Castanheira à comunidade. Foto: DR

O Bispo D. Antonino Dias nomeou na terça-feira, dia 15 de outubro, o padre António Castanheira como Administrador Paroquial “sede plena” de São João e São Vicente, em Abrantes, tendo o religioso sido indicado para substituir o Cónego José da Graça, afastado em agosto pela Diocese de Portalegre-Castelo Branco. O padre José da Graça não se conforma com a decisão que o obriga a sair de Abrantes e a apresentar-se na Sé de Portalegre e recorreu para a Congregação do Clero, em Roma, facto que impede a nomeação de um novo padre para aquelas paróquias de Abrantes.

PUB

O Bispo publicou no dia 15 de outubro um novo comunicado onde dá conta dos problemas jurídicos e da suspensão das eucaristias no domingo nas paróquias de Abrantes, dia em haverá uma celebração na Igreja de São Vicente, às 18:00, para que o vigário geral da Diocese, Monsenhor Paulo Dias, apresente o padre António Castanheira à comunidade. A gestão das paróquias de São Vicente e de São João fica atribuída ao Arcipreste de Abrantes, padre Adelino Cardoso, Pároco do Rossio ao Sul do Tejo e Tramagal, enquanto a situação jurídica não ficar definida.

O processo de suspensão do padre José da Graça, de 76 anos, decorre da sua condenação a 12 de junho a cinco anos de prisão, com pena suspensa por igual período, pelos crimes de burla qualificada, burla tributária e falsificação de documentos, num esquema que terá lesado o Estado em cerca de 200 mil euros através do Centro Social Interparoquial de Abrantes, instituição da qual era presidente. O religioso recorreu da decisão, resultado que ainda não é conhecido.

Em comunicado publicado em agosto, o bispo deu conta que afastou o religioso por essa condenação, e relatou que o padre José da Graça lhe “disse que não aceitaria qualquer outra nomeação”, tendo-lhe pedido “que escolhesse residir no Seminário de Alcains ou de Portalegre, onde muito poderia colaborar na pastoral” local, o que o cónego José da Graça rejeitou.

“Porque não fez qualquer opção, agora, no decreto de 6 de agosto consta a sua nomeação como vigário paroquial da Paróquia da Sé de Portalegre”, decisão que, segundo o documento, deveria ser cumprida até ao dia 15 de setembro, o que não sucedeu.

PUB

Conheça ao pormenor o comunicado da Diocese e o Decreto que nomeia o Administrador Paroquial:

“A Comunidade cristã de Abrantes e da Diocese, atenta aos acontecimentos que se referem às nomeações do Clero para este ano pastoral, vai sabendo que o Rev.do Cónego José da Graça recorreu hierarquicamente. De facto, fazendo uso dos seus direitos, não concordando com a decisão por mim assumida, decisão assumida após várias diligências e ponderação e a teor dos cânones 381§1, 190§2 e 1748 do Código de Direito Canónico, o Rev.do Cónego José da Graça achou por bem que devia recorrer da decisão.

Em primeiro lugar, fê-lo para mim próprio, para que eu revogasse o Decreto de 6 de agosto de 2019, Decreto esse que o transferia de serviço na Igreja diocesana. Depois, porque tal petição não foi atendida e o referido Decreto foi confirmado em 28 de agosto, instruiu recurso hierárquico para a Congregação do Clero, em Roma. Sabemos que a resposta a estes recursos normalmente é bastante demorada. Por isso, e porque as comunidades cristãs não devem permanecer nesta situação de indefinição, entendi, também depois de ouvir e ponderar  e de harmonia com o Código de Direito Canónico, cân. 1747 § 3, dever prover as Paróquias de São Vicente e de São João, do Concelho e Arciprestado de Abrantes, com a nomeação de um Administrador Paroquial “sede plena”.

O Administrador Paroquial “sede plena” tem todas as funções, deveres e direitos de Pároco. Exerce o seu ministério como responsável e representante legal, civil e eclesial, das referidas Paróquias, em todas as suas dimensões e setores de atividade e a partir da data da publicação do Decreto que o nomeia.

Nestas circunstâncias, e enquanto se aguarda a resposta ao recurso instruído para a Congregação do Clero, o Rev.do Cónego José da Graça não perde o título de Pároco nem o Bispo pode nomear outro, mas deixa de ter qualquer responsabilidade nas paróquias em causa.

O Rev.do Padre António Martins Castanheira, embora nomeado em 29 de julho de 2019 para suceder, como Pároco, ao Rev.do Cónego José da Graça, foi nomeado Administrador Paroquial das Comunidades cristãs das Paróquias de São João e de São Vicente de Abrantes, enquanto se aguarda a resposta ao recurso hierárquico. Será apresentado às referidas Comunidades pelo Vigário Geral da Diocese, na igreja de S. Vicente, na Eucaristia, às 18 horas do dia 20 de outubro de 2019, Domingo, não havendo, nesse dia, outras Eucaristias na igreja matriz de São João e na igreja matriz de São Vicente.

Peço a todos os cristãos e pessoas de boa vontade que o recebam como nosso enviado e pastor. O Decreto que nomeia o Padre António Martins Castanheira como Administrador Paroquial terá efeitos a partir de hoje, 15 de outubro de 2019, data da sua publicação.

Desde hoje, terça-feira, dia 15 de outubro, até Domingo, dia 20, o serviço pastoral das Paróquias de São João e de São Vicente de Abrantes será coordenado pelo Arcipreste desta Zona Pastoral, o Rev.do P. Adelino Dias Cardoso, Pároco do Rossio ao Sul do Tejo”.

PUB
PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here