Abrantes | Campanha de desenvolvimento económico com incentivos inéditos às empresas (C/VIDEO)

Com o objetivo de criar condições para atrair mais empresas e mais investimento, a Câmara Municipal de Abrantes lançou uma campanha com apoios inéditos à captação e atração de investimento e ao desenvolvimento económico denominada  ‘Abrantes INVEST’, programa que assenta num conjunto muito alargado e diversificado de incentivos financeiros e fiscais.

PUB

A campanha, que é dirigida tanto para as empresas que se venham a constituir e instalar como para as empresas residentes, apresenta preços de instalação no Tecnopolo do Vale do Tejo e nos parques industriais de Abrantes, Pego e Tramagal de 1,5 euros por m2 e de 5 euros por metro2 para comércio e serviços no centro histórico de Abrantes, com isenção de IMI, IMT e de derrama, neste caso para microempresas e com volume de negócios não superior a 150 mil euros, valores considerados pela presidente da autarquia, Maria do Céu Albuquerque (PS), como uma “missão” no sentido de “gerar valor” na economia.

“Depois da crise instalada desde 2008 para as empresas, é altura de reforçar a sua capacidade de trabalho no terreno”, disse a autarca, tendo afirmado que os incentivos apresentados, “mais que fazer obra, representam uma missão, que é estar ao lado das empresas e dos empresários para criar mais riqueza na região e no país”.

O programa, dirigido para as zonas industriais, parque tecnológico e centro histórico (comércio e reabilitação urbana, decorre da operacionalização do Plano Estratégico Abrantes@2020, e incluem ainda a atribuição de uma comparticipação financeira ao salário base mensal por um prazo máximo de 2 anos por posto de trabalho apoiado.

Ricardo Aparício, coordenador da campanha, disse ao mediotejo.net que “haverá apoios financeiros à contratação” por parte das empresas, sendo que, “no primeiro ano, terão um máximo de 35% do salário base mensal de cada trabalhador contratado até ao limite mensal de 500 euros por posto de trabalho apoiado”.

Abrantes | Campanha de desenvolvimento económico com incentivos inéditos às empresas (C/VIDEO)
Ricardo Aparício é o coordenador da campanha de desenvolvimento económico de Abrantes. Foto: mediotejo.net

No ano seguinte, continuou, o apoio terá um máximo de 35% do salário base mensal de cada trabalhador contratado até ao limite mensal de 250 euros por posto de trabalho apoiado, sendo o apoio máximo a conceder por entidade beneficiária de 20 mil euros por ano económico.

“Trata-se de uma campanha que se pretende o mais pessoal e o mais “case-by-case” possível tendo em conta as três zonas de investimento identificadas como prioritários para o concelho de Abrantes”, frisou, tendo destacado as ”isenções fiscais nas zonas industriais e comercialização de lotes a preços reduzidos, o apoio à instalação no centro histórico com rendas apoiadas, e o incentivo à criação de emprego qualificado o Parque Tecnológico do Vale do Tejo”.

No âmbito da mesma campanha, foi criado também o Regulamento Projetos Empresariais de interesse Municipal que visa apoiar a criação líquida de emprego no concelho de Abrantes , para um mínimo de 10 postos de trabalho, em instalações especificamente construídas, adquiridas ou arrendadas para esse efeito, e/ou, para um mínimo de 20 postos de trabalho em instalações que já sejam alvo de utilização na laboração corrente da entidade beneficiária.

Na sessão de apresentação, e perante cerca de 100 empresários e potenciais investidores, o secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão, Nelson de Souza, disse que “o crescimento é a chave da solução para os problemas que afetam a sociedade portuguesa”, referindo o défice e a dívida pública, tendo defendido que a campanha apresentada é “relevante pelo facto da autarquia ter decidido investir neste setor em detrimento de outros, porventura, mais populares”.

Também presente na iniciativa, a presidente da CCDR Centro, Ana Abrunhosa, destacou a “importância do papel das autarquias no apoio aos empresários e na criação de um ambiente propício ao investimento”, tendo explanado aos presentes os apoios a que podem aceder através do sistema de incentivos comunitários do Portugal 2020 e que a equipa coordenadora da campanha em curso também assegurou apoiar os empresários na sua leitura e preenchimento de formulários e candidaturas.

COMPARTILHE
A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.
Artigo anterior“Dormir bem não é para todos…”, por Hália Santos
Próximo artigoTorres Novas | A história de sábado na biblioteca é sobre o “meu papá”

DEIXAR UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here