Abrantes | Associação Vidas Cruzadas assinala 10 anos de atividade com Conferência

Foto DR

“10 Anos a Cruzar Vidas – Proteger o Presente, Promover o Futuro” é o nome da conferência que pretende assinalar o décimo aniversário da Associação Vidas Cruzadas, reunindo um conjunto de painéis de debate na área da promoção e proteção dos direitos das crianças e jovens. Contando com um leque de especialistas na área, a conferência terá lugar dia 29 de março, no Edifício Pirâmide, junto à Torre de telecomunicações; o início está marcado para as 10h00.

Valores como a cooperação inter institucional, a solidariedade, a excelência nos serviços prestados, a dedicação, a tolerância, a inovação e o respeito pela identidade do outro vão ser recordados e preservados nesta iniciativa, que assinala os 10 anos de atividade da IPSS.

Para tal, a Vidas Cruzadas convidou “alguns dos melhores especialistas nacionais para partilharem experiências e conhecimentos com os profissionais locais e da região”. Rute Agulhas (Psicóloga clinica e forense – investigadora e docente no ISCTE – IUL), Anabela Quintanilha (Mediadora Familiar/ Advogada), Rui Alves Pereira (Advogado – Presidente da Associação “A voz da criança”), Paulo Guerra (Juiz desembargador e diretor-adjunto do CEJ), Leonor Valente Monteiro (Advogada e membro da Associação Portuguesa de Mulheres Juristas) e Catarina Ribeiro (Docente da Universidade Católica Portuguesa do Porto e Psicóloga no Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses do Porto), são os nomes que virão a Abrantes, pode ler-se na nota de imprensa.

A conferência divide-se em dois painéis. Um sobre a “divisão do mundo familiar em situações de divórcio ou separação. Direitos das crianças, responsabilidades dos pais”. E, outro sobre os “olhares sobre a proteção das crianças e mulheres e a promoção dos seus direitos”.

Com moderação de Hália Costa Santos (Diretora do curso de Comunicação Social da ESTA – IP Tomar) e Patricia Fonseca (Editora da Revista Visão e diretora do jornal digital mediotejo.net), a sessão de abertura contará com a presença da Presidente da Associação, Vânia Grácio, do Diretor do Centro Distrital de Segurança Social, Tiago Leite e Maria do Céu Albuquerque, presidente do Município de Abrantes.

A encerrar os trabalhos marca também presença Sónia Frade, da CPCJ de Abrantes, e Celeste Simão, vereadora com o pelouro da Ação Social do Município de Abrantes.

A iniciativa decorre a 29 de março, no edifício Pirâmide em Abrantes. As inscrições podem ser efetuadas através do site a Associação, em www.associacaovidascruzadas.org

Inscrições on-line, até 25 de março, custo de 20 euros: https://goo.gl/forms/0GkCIOcrnFdMVmFD3

 

Foto: Associação Vidas Cruzadas

A Associação Vidas Cruzadas surgiu em setembro de 2006, no Tramagal, da preocupação partilhada de um grupo de cidadãos em intervir ao nível social na comunidade em que se insere. Sendo o Tramagal uma terra rica em associações de diferentes naturezas, não deixava de se sentir, no entanto, a necessidade de “novas respostas” na vertente social, que atuassem ao nível concelhio. Legalmente constituída desde Fevereiro de 2007, a Associação tem procurado responder às necessidades sentidas na comunidade, criando novas respostas de apoio e, tem apostado no trabalho em rede com outras entidades, trabalhando para ser uma resposta de primeira linha de intervenção junto das populações mais desfavorecidas.

A CM Abrantes cedeu instalações à Vidas Cruzadas no centro da cidade, no Edifício São Domingos, facilitando o acesso às famílias já com várias limitações. Este Espaço Vidas Cruzadas congrega, desde fevereiro de 2016, o Centro de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental (CAFAP), o Centro de Recursos de Ajudas Técnicas, o Banco de Livros Escolares e a Rede Local de Intervenção Social – Serviço de Atendimento e Acompanhamento Social. Em 2012, esta IPSS conseguiu apoiar de forma direta e indireta cerca de 7200 pessoas.

Prestar serviços de excelência na promoção de competências pessoais, sociais, parentais e profissionais dos indivíduos, facilitando o desenvolvimento comunitário através da rentabilização das sinergias locais e da igualdade de oportunidades dos cidadãos é a missão desta IPSS.

DEIXAR UMA RESPOSTA