Abrantes | Antigo Mercado Diário pode virar “multiusos” mantendo “rosto e identidade”

Utilização a dar ao antigo edifício do mercado municipal de Abrantes tem gerado troca de ideias e argumentos entre os eleitos. A autarquia anunciou agora que vai avançar para a reabilitação e transformação em espaço multiusos. Foto: mediotejo.net

Na Assembleia Municipal de Abrantes realizada na sexta-feira, 27 de setembro, quer o Bloco de Esquerda quer o Partido Social Democrata (PSD) apresentaram duas propostas de recomendação pela preservação do antigo mercado diário da cidade denominadas “Pela Urgente Manutenção do Antigo Mercado Diário”, do BE, e “Pela conservação do edifício do antigo Mercado Diário”, do PSD. Mas antes da sua apreciação e votação pelos deputados, já o presidente da Câmara Municipal se pronunciara sobre aquela infraestrutura. Manuel Valamatos (PS) confirmava a intenção, deixada no ar na última reunião de Executivo, de transformar aquele edifício num “multiusos” mantendo a traça atual.

Transformar o antigo mercado diário de Abrantes num pavilhão multiusos é uma possibilidade em análise atualmente pela Câmara Municipal de Abrantes. A hipótese foi confirmada pelo presidente da Câmara Municipal, Manuel Jorge Valamatos, durante a sessão da última Assembleia Municipal (AM), garantindo que “o rosto e a identidade do mercado” é para manter. A declaração surgiu após a intervenção do presidente da Junta de Freguesia de Rio de Moinhos, Rui André, que questionou se seria preservada “a traça do antigo mercado municipal”.

Na sua intervenção, Manuel Valamatos começou por enumerar três situações “muito problemáticas” na cidade: Cineteatro São Pedro, Pavilhão Desportivo e antigo Mercado Diário. Dando conta de “uma ausência enorme de um pavilhão multiusos” em Abrantes, o autarca sublinhou que esta é uma decisão que terá de ser tomada em sede de reunião de Câmara e de Assembleia Municipal.

PUB

“Depois de ouvir muitas pessoas, depois de termos trabalhado com muitas entidades e associações, percebemos que o antigo Mercado Diário é uma excelente oportunidade para termos um excelente multiusos. Sem mexer no seu rosto, ficará ao serviço das pessoas de forma muito interessante”, afirmou.

No entanto, a Câmara apresentou uma proposta à sociedade Iniciativas de Abrantes relativamente ao Cineteatro São Pedro e, segundo o autarca, “enquanto não tivermos a questão do Cineteatro São Pedro fechada” não haverá qualquer decisão sobre o edifício do mercado.

PUB

“Porque este multiusos pode ter de ser um Centro Cultural ou no Bairro Vermelho [pode nascer] um Centro Cultural. Estamos em vésperas de fazer passar o mercado do Bairro Vermelho para o Vale da Fontinha”, lembrou. “Se conseguirmos ter o Cineteatro São Pedro poderemos pensar ter um multiusos no antigo Mercado Diário”, clarificou.

Sessão de Assembleia Municipal de Abrantes. Créditos: mediotejo.net

Sendo um tema que está na ordem do dia no concelho, o antigo Mercado Diário também integrou a ordem do dia da sessão ordinária da AM com duas propostas de recomendação, uma do BE “Pela Urgente Manutenção do Antigo Mercado Diário” e outra do PSD “Pela conservação do edifício do antigo Mercado Diário”.

Apresentando a proposta, o deputado municipal bloquista Pedro Grave começou por recordar que “o antigo Mercado Diário tem sido foco de discussão e tensões entre as forças políticas de Abrantes, assim como de cuidado e preocupação para um elevado número de munícipes que pretendem ver o edifício escapar à pendente demolição ao invés ser requalificado como merece”.

Pedro Grave notou que o edifício “está numa entrada nobre da cidade” sem a devida atenção dos decisores, e “pelo respeito ao património abrantino e pelo estado geral que se pretende manter no centro histórico reunindo algum bom senso e indo ao encontro dos anseios de um elevado número de munícipes”, a proposta do BE recomenda ao Executivo que “inicie um estudo” sobre o estado do edifício, e que “proceda à manutenção preventiva incluindo a tão importante pintura exterior”, com o objetivo de “travar a degradação evidente” do antigo Mercado Diário.

Sessão de Assembleia Municipal de Abrantes. Créditos: mediotejo.net

Do lado do PSD, João Salvador Fernandes referiu que para preservação daquele património “urge contrariar a sua evidente e preocupante deterioração”. Como já sublinhado anteriormente pelo vereador Rui Santos “se a estrutura continuar a ser descurada como está, mais tarde ou mais cedo terá de ser demolida por motivos de segurança e proteção dos munícipes”, disse.

Durante a sua intervenção, o deputado lembrou as garantias dadas pelo Partido Socialista na anterior sessão da AM no sentido de não pretender a demolição bem como as “mais recentes declarações do presidente da Câmara afirmando que Abrantes precisa de um edifício multiusos, parece haver uma compreensão de que o edifício não pode ficar ao abandono”.

Assim, o PSD considera prioritária a realização de obras no edifício propondo que a AM recomende ao executivo “que inicie a realização da empreitada” para a conservação do edifício do antigo Mercado Diário.

Sessão de Assembleia Municipal de Abrantes. Créditos: mediotejo.net

Em resposta, Manuel Valamatos afirmou que a Câmara encontra-se “numa fase de muito rapidamente poder avançar com um projeto” e pergunta “se vale a pena pintar o que quer que seja para três meses depois começar uma intervenção maior?”.

Pedro Grave insiste “numa pequena pintura no exterior” ao que o presidente da Câmara concorda em “retirar as flores que ficam muito mal no mercado, todas murchas, sem o efeito pretendido”.

No final das contas, a proposta de recomendação do BE foi aprovada por maioria, com a abstenção de um deputado da bancada socialista. A proposta do PSD foi aprovada por unanimidade.

Em julho deste ano a bancada do Partido Socialista apresentou uma moção sobre o antigo Mercado Diário de Abrantes onde exclui aprovar a classificação do edifício como de interesse municipal, por “impossibilitar muitos projetos que ali se poderiam implementar”.

A moção mereceu criticas do PSD, BE, e do presidente independente da Junta de Freguesia de Rio de Moinhos. E em abril, também de 2019, o PS rejeitou comprometer-se com a não demolição do antigo Mercado Diário.

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here