“A institucionalização da memória”, por Aurélio Lopes

Foto: Painel de azulejos in "O melhor Alentejo do Mundo"

Realizou-se há escassos meses em Montargil, concelho de Ponte de Sor, o ‘Fórum Cultura 2018’, do qual participaram estudiosos da área cultural e patrimonial, representantes da Federação do Folclore Português e do Ministério da Cultura.

PUB

Do mesmo, resultou um conjunto de ideias (mais ou menos conclusivas, poder-se-á dizer) que dão corpo a importantes referênciais matriciais, relacionados com as ações de pesquisa/divulgação que, geralmente, denominamos Folclore.

Ficou claro que a conceção de Folclore entendida entre nós, resulta da vontade manifesta dos folcloristas nacionais que pretendem (ou dizem pretender) representar de forma o mais possível coerente e rigorosa, as vivências tradicionais de tempos passados.

Tal como, o facto, desta pretensão não constituir, afinal, a única legítima e respeitável. Na verdade, todas as utilizações/perceções/inspirações e divulgações da cultura tradicional são, naturalmente, legítimas. A cultura portuguesa não é propriedade de ninguém. Ou, se quisermos, é propriedade de todos nós. A única exigência que aqui avulta é que, cada um, de forma clara e honesta esclareça, cabalmente, o que pretende fazer. E que, depois, faça aquilo que diz. E, já agora, com qualidade! De preferência não tentando passar por aquilo que não é!

Ficou ainda claro que o conceito referente ao Património Imaterial da UNESCO possui muitas semelhanças com a componente imaterial (igualmente patrimonial) daquilo a que chamamos Folclore. Estranho seria que não tivesse.

PUB

A dissemelhança, porém, é “apenas” a seguinte: O Folclore debruça-se sobre padrões igualmente patrimoniais, vivenciais e tradicionais, mas literalmente fósseis. Leia-se, desaparecidos. As eventuais alterações por parte dos grupos divulgadores constituem, portanto, quase sempre, corrupções da realidade recolhida, da qual se pretende manter a configuração memorial.

A UNESCO aponta para exemplos de padrões patrimoniais igualmente vivenciais (tradicionais, admita-se) mas ainda vivos; ou vistos como tal*. Suscetíveis, portanto, de naturais alterações funcionais. Em suma, um é uma matéria cultural fóssil, de que queremos preservar a memória. Outro, uma matéria cultural viva e, portanto, suscetível, ainda, de se operacionalizar. E isto, naturalmente, faz toda a diferença!

Foi isto que se espera tenha ficado claro, de entre os elementos conclusivos do debate aí travado. Resta saber se também virá a persistir na memória.

 

*A Classificação Patrimonial do “Cante alentejano” é bem exemplo de tal; necessitado, que foi, de se “ligar à máquina” para se apresentar como vivo.

Também o propalado projeto respeitante ao “Fandango Ribatejano” (hoje adormecido) necessitaria sempre (e ainda em maior grau) de se ressuscitar. Para UNESCO ver, com certeza.

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here